20/03/2016

Vietnam para iniciantes - 8 locais imperdíveis!


O Vietname, com mais de 90 milhões de habitantes, é o território de 330 mil km2 que ocupa a faixa leste da península da Indochina, no Sudeste asiático. Independente do império chinês desde 939, e reunificado desde 1975 (após vitória na guerra contra norte-americanos), é actualmente um dos últimos quatro países do mundo comunista, de partido único (a par da China, Cuba e Laos). Iniciou em 1986 uma série de reformas políticas e económicas, tendo desde 2000 relações diplomáticas com todos os países do mundo! Venha, de Norte para Sul, descobrir gentes, culturas e paisagens, em 8 lugares imperdíveis, 5 dos quais classificados como Património da Humanidade!


1. Ha Long


"Onde o dragão entra no oceano". Património mundial desde 1993, a 180 km para leste de Hanói, esta baía cristalina com cerca de 3.000 ilhotas calcárias, de praias, grutas e cavernas paradisíacas, está cada vez mais pressionada pelo turismo massificado.

Dica: deslumbre-se com a beleza cénica do lugar, embarcando num cruzeiro de dois dias pela baía. Entre nas profundezas de grutas, navegue em canoa pelos maciços, suba à mais alta colina panorâmica e mergulhe nestas calmas águas cálidas.

A baía de Ha Long é talvez o melhor e mais comum postal ilustrado vietnamita


2. Hanói


Capital vietnamita, de história milenar, e sucessivamente ocupada por forças estrangeiras, Hanói é hoje uma metrópole em acelerado crescimento económico e demográfico (só em 2003 registou 300 mil novos empregos!). Jovem e frenética, ruidosa e fumarenta, cidade de paixões ou desilusões. Da gastronomia à cultura, muito há aqui para desfrutar.

Dica: instale-se no centro e perca-se nas movimentadas vielas, passeie nas margens do lago Hoan Kiem (com a Torre da Tartaruga), visite o Templo da Literatura, explore o Museu de Belas Artes e não deixe de conhecer o 'tio' Ho Chi Minh, ele mesmo, no seu mausoléu.

Honras de Estado e longas filas são habituais... tudo para uma visita que não dura mais do que apenas alguns segundos!


3. DMZ / Dông Hà


No centro do país, 600 km a sul de Hanói, a zona desmilitarizada (DMZ) é cada vez mais destino turístico. Estão aqui os principais memoriais da última guerra vietnamita (1955-1975), que opôs Norte e Sul, na qual tombaram cerca de 4 milhões de vietnamitas (e 2 milhões de cambojanos e laocianos!), e que resultou na reunificação do Vietnam. Feridas profundas, abertas também pelas horrorosas armas químicas largamente utilizadas pelo exército norte-americano, que começam hoje a sarar, várias gerações depois.

Dica: preste homenagem à bravura do povo vietnamita, conhecendo de perto alguns dos resquícios desta guerra (ex: labirínticos túneis Vinh Loc), as estruturas de estabilização da paz aqui criadas, bem como a interpretação histórica do conflito. No final do dia, aproveite as extensas praias de areia branca e quentes águas e cristalinas.

No 17º paralelo, a ponte sobre o rio Bến Hải (com a secção amarela a Sul e a azul a Norte) é marco maior da divisão do territóio


4. Hué


Bem no centro do Vietnam, banhada pelo rio Perfume, Huế é conhecida pelo seu valioso património arquitectónico (que resistiu às violentas batalhas que aqui tiveram lugar). Capital imperial até 1945 – quando o imperador Bao Đại abdicou e um governo comunista foi estabelecido em Hanói –, são ainda evidentes as semelhanças desta cidadela classificada pela Unesco com a Cidade Proibida de Pequim.

Dica: prepare-se para torrar... a cidadela é enorme, a visita a pé demora várias horas, o sol a pique eleva normalmente a temperatura à casa dos 40ºC... sem sombras nem ar condicionado vai chegar de rastos ao final do dia. Comece cedo e leve muita água na mochila!

A arquitectura da cidadela reflecte a forte influência chinesa na dinastia Nguyễn


5. Hoi An


"Lugar de encontro pacífico", a Cidade Antiga de Hoi An é um excepcional, bem-preservado, porto comercial do sudeste asiático, cujo edificado reflecte ainda as influências indígenas e estrangeiras. O porto foi estabelecido pelo explorador português António de Faria em 1535, tendo mais tarde sido ocupado pelo primeiros missionários jesuítas portugueses. Aproveitando o abrigo natural do enorme estuário do rio Thu Bồn, a actividade mercantil elevou este porto, até ao século XIX, ao mais importante centro comercial de todo o Mar do Sul da China.

Dica: visite os templos e outros edifícios históricos, mergulhe nas inúmeras praias, passeie de barco na ria ou de bicicleta por entre os extensos arrozais, compre vestuário por medida (há dezenas de lojas que lhe vão mostrar um sem número de catálogos!), desfrute os tours gastronómicos (diz-se que aqui está a melhor e verdadeira gastronomia vietnamita!), aproveite a excelente infraestrutura turística-hoteleira... aqui, apenas lhe vai faltar mais tempo!

Sem trânsito automóvel, a cidade antiga de Hoi An é um calmo oásis no frenético sudeste asiático 


6. My Son


Património da Humanidade, Mỹ Sơn (ou Mi-Sön) é o mais importante sítio arqueológico do reino de Champa. Complexo de 2 km de largura, com cerca de 70 templos e torres interconectados, actualmente parcialmente arruinados. Estes templos hindus foram construídos (em tijolo vermelho) entre os séculos IV e XIV em honra a Shiva, conhecido localmente por "Bhadresvara".

Pela sua relevância histórica, é frequentemente comparado a outros complexos do sudeste asiático, como Borobudur (Java, Indonésia), Angkor Wat (Camboja), Bagan (Myanmar) ou Ayutthaya (Tailândia). Embora seja talvez o mais antigo sítio arqueológico em toda a Indochina, a maioria do edificado foi destruída por bombardeamentos norte-americanos durante a recente guerra do Vietnam, em apenas uma única semana.

Dica: alugue uma motorizada em Hoi An e aventure-se estrada fora, país adentro... são cerca de 40 km para Este, por entre arrozais e campos agrícolas, pequenas aldeias e grandes indústrias de mão-de-obra intensiva, os caminhos sinuosos do interior e a mais movimentada auto-estrada do litoral... ou seja, o país real todo nesta curta viagem. Experiência a não perder!

De entre os lugares históricos mais relevantes da Indochina, My Son é provavelmente o menos conhecido e visitado


7. Saigão / Cidade de Ho Chi Minh


Saigão, capital do Vietnam do Sul até 1976, é renomeada para Cidade de Ho Chi Minh (HCMC) na sequência da reunificação do país (enquanto República Socialista do Vietname), em homenagem ao líder comunista Ho Chi Minh (1890-1969), "aquele que ilumina". Considerado o "pai da revolução", é ainda hoje mantido, em todo o país, um enorme culto à personalidade deste revolucionário e estadista, estando a sua imagem presente em edifícios públicos e privados (salas de aula, altares, etc.).

Embora a 1.700 km a Sul da capital nacional (Hanói), HCMC é actualmente o centro económico do Vietname. Apesar de ocupar apenas 0,6% da área territorial do país, concentra 8,34% da população do Vietname, 20,2% do seu PIB, 27,9% da produção industrial e 34,9% do investimento estrangeiro directo (dados de 2005).

Dica: metrópole cosmopolita e ocidentalizada, HCMC preserva ainda edifícios de traça colonial francesa, mas pouco da cultura ancestral vietnamita – aqui, vale por isso a pena explorar a história mais recente do país (ex: museu das memórias da guerra, museu da cidade, catedral de Notre-Dame, correio central).

A estátua de Ho Chi Minh no centro da cidade com o seu nome, representado com uma criança por ser o grande impulsionador da educação no país


8. Delta do Mekong / Can Tho


O delta do rio Mekong é uma enorme região (cuja área é equivalente à da Holanda ou Suíça) situada na extremidade Sul do Vietnam, habitada por mais de 17 milhões de pessoas, e cuja área submersa varia ao longo do ano. É um mundo de água acastanhada que se move ao ritmo do poderoso Mekong, onde barcos, casas e mercados flutuam nos inumeráveis canais e riachos que cruzam a paisagem como artérias. É um território fértil, que responde por uma produção anual de arroz superior a 23 milhões de toneladas (ou seja, mais de 50% da produção total do país que é 3º maior produtor mundial)!

Dica: para visitar o delta contrate um 'tour' de 2 ou 3 dias em HCMC (com volta a HCMC ou ligação ao Camboja) – a oferta de valor é muitíssimo boa já que para além do transporte e alojamento, estão incluídas diversas outras actividades, como as visitas ao mercado flutuante de Can Tho (o maior de todo o delta), a um pomar de frutos tropicais, a uma fábrica artesanal de produção noodles de arroz, a uma fábrica de doces de côco, a uma quinta de produção de mel e a templos budistas, para além de se assistir a folclore local, de se navegar em canoa tradicional pelos estreitos canais do delta, aprender e manusear em serpentes, passear em bicicleta e em carroça puxada por burros.

As palmeiras coqueiras, a vida rural e actividade flutuante em Ben Tre são espelho de todo o delta do Mekong

~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~

COLOCANDO EM PRÁTICA:

Como ir: a melhor forma de entrar no país é por ar, chegando pelos aeroportos internacionais de Hanói ou de Ho Chi Minh. Embora haja fronteiras terrestres abertas com o Laos e o Camboja, os vistos de entrada dos cidadãos não locais (ex: europeus, americanos) não são reconhecidos, uma vez que apenas os grandes aeroportos têm acesso aos requerimentos de entrada no país ('convites' tratados antecipadamente nas embaixadas ou online). A passagem das fronteiras terrestres é mais fácil no sentido da saída.

O que fazer: entre património edificado, paisagem única e cultura viva (como a gastronomia, a música, o teatro ou as artes tradicionais da agricultura e da pesca), a última coisa que vai querer é ficar parado a gozar as belas praias :) Veja aqui outros artigos sobre o Vietnam.

Quanto tempo: para percorrer estes 8 lugares nunca menos de 15 dias...

Como se deslocar: longas distâncias, infra-estruturas pouco modernas e utilização maciça tornam o transporte terrestre (por estrada ou caminho de ferro) muito lento. Sempre que possível, é recomendável o recurso ao avião, havendo diversas companhias locais low-cost. Nas grandes cidades, o táxi ou o tuktuk são os transportes mais procurados, enquanto que em zonas rurais pode optar pela motorizada ou bicicleta.

Onde ficar: todos os lugares acima (excepto a DMZ, visitável desde Hué, e My Son, visitável desde Hoi An ou Danang) estão dotados de excelentes infraestruturas hoteleiras, em quantidade e diversidade. Procure já hotéis no VIETNAM e reserve antecipadamente aqui.

Orçamento: para detalhes sobre planeamento, orçamento e custos reais, veja este artigo e faça o download gratuito do meu 'roadbook'.

~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~

Por fim, prepare-se para:

- cidades ruidosas e frenéticas, vivas 24h/dia,
- partilhar os passeios com as motorizadas,
- atravessar as ruas sempre com automóveis e motorizadas a passar (ninguém pára mas todos se desviam!),
- longas e cansativas viagens terrestres (médias de 40 km/h)
- o calor e a humidade asfixiantes, normais nos trópicos,
- chuvadas curtas mas intensas na época de monção (Verão),
- ser sempre atendido por miúdos (população muito jovem),
- lhe pedirem gorjetas/propinas no cruzeiro de Ha Long,
- se deliciar com a saborosa gastronomia vietnamita,
- experimentar texturas alternativas como cobra, cão ou crocodilo,
- descobrir o conceito moderno de república socialista/comunista,
- tirar centenas de fotografias! :)


0 comentários :